Monstros e vilões protagonizam campanha de preservação de livros na UFMS

Postado por: Emerson Ubinski

A Campanha de Preservação do Acervo da UFMS tem o objetivo de sensibilizar os usuários quanto aos cuidados necessários com os livros da Universidade. Os vilões que atacam as bibliotecas são monstros que danificam, escondem ou se esquecem de devolver os livros. A campanha foi elaborada com cores atrativas, características marcantes e ambientada na própria Biblioteca.

“Todos os dias são encontrados livros rasurados, faltando páginas, molhados ou até mesmo servindo de apoio para notebooks”, explica a chefe da Coordenadoria, Alessandra Borgo. Em alguns casos, o descarte é inevitável. Ela ressalta que todos os dias precisa retirar algum livro do acervo por ser estragado. “Algumas obras podem ser restauradas, mas além de ser uma solução custosa, nem todas podem ser recuperadas de acordo com o grau de deterioração”, esclarece.

Diante dessa realidade constante nas bibliotecas da UFMS, a solução foi conscientizar os usuários a adotar hábitos de preservação por meio de uma alternativa descontraída. Foram criados treze personagens que rasuram folhas, rasgam páginas, derrubam alimentos nas obras e escondem os livros nas estantes para buscar depois. Os vilões se baseiam em comportamentos inadequados e deixam a ideia de usar o livro corretamente, para aumentar a durabilidade do acervo e o acesso democrático ao material.

O projeto gráfico foi desenvolvido pelo acadêmico do curso de Artes, Jodri Aquino, à época, estagiário na Secom. Ele comenta que durante o processo criativo buscou inspiração em personagens animados e na técnica do artista Lucas Levitan, que faz intervenções ilustrativas em imagens reais. “Me inspirei em personagens cartunescos, geralmente ligados à imaginação e ao irreal, como faz o Lucas Levitan. Trabalhei cores vibrantes para chamar atenção mesmo, porque a gente sabe que esses personagens podem ser qualquer pessoa que estraga o livro”, revela o estudante.

A Campanha de Preservação do Acervo faz parte da V Semana Nacional do Livro, que será realizada de 23 a 27 de outubro na UFMS, é uma iniciativa da Coordenadoria de Bibliotecas da Pró-Reitoria de Graduação e também integra as atividades de programação da Campanha Institucional “Eu respeito”, que neste mês aborda a pessoa em sua integralidade.

Os cartazes da campanha serão expostos na Cidade Universitária e em todos os câmpus da Instituição, junto a exemplares com informações sobre cada vilão.

Conheça um pouco mais sobre os vilões da Biblioteca

Aquaticum é um dos vilões mais conhecidos na biblioteca. Ele é cercado de líquidos e na hora da leitura derruba tudo nos livros. O Sr. Comilança anda sempre com ele. É o vilão que não consegue se controlar e sente uma fome insaciável; e sempre derruba restos de comida entre as páginas. A Dona Colante quer destacar tudo o que acha importante na leitura, mas faz uso excessivo de adesivos.

Capitão Rabiscus representa a maioria dos problemas. Ele é um vilão que tem um grande sentimento de posse e acredita que todo livro da biblioteca é seu; rabisca e sublinha partes do texto. Junto a ele está o Calculus, que pensa poder resolver todos os enigmas do mundo. Resolve todas as equações apresentadas nos livros e prejudica a aprendizagem dos outros. O comparsa deles é o Caça Palavras, que vive circulando palavras e atrapalhando a leitura dos amigos.

Não Devolvo Não além de não aceitar as regras, empresta o livro com o assunto que vai cair na prova e não devolve depois. Vive em guerra com o Esconde Esconde, que no período de provas quer o livro só para ele e esconde em lugares que nem se lembra depois. O Lombada é seu principal comparsa, só retira o livro da estante pela parte superior, danificando a encadernação, e depois tenta esconder para que ninguém perceba. O Rasga Tudo é o mais desesperado. Como é fã de novela, não pode perder um capítulo, e acaba rasgando as folhas para usar sozinho.

Baba Mortal parece um bebê. Não consegue ficar acordado e faz o livro de travesseiro. Quando dorme profundo, chega a babar tanto, que estraga as folhas. Igual ao Lambe Lambe, que usa a própria saliva para folhear o livro. Além de danificar o papel, ainda sofre de indigestão por causa dos micro-organismos. E ainda tem o Eterno Namorado, que não deixa babas, mas faz o livro de correio elegante. Sempre deixa recadinhos e poemas românticos nas páginas, com a esperança de encontrar um grande amor.

     

    

    

    

                                                                                        

Texto: Paula Navarro (estagiária de Jornalismo)